Mudança de planos. Inicialmente sairíamos de Florianópolis em 02/09 (domingo), passaríamos dois dias em Campinas e Piracicaba e chegaríamos a Petrolina em 04/09 (terça-feira). Por questões alheias à nossa vontade – negativas de patrocínio e invasão de estudantes ao prédio da reitoria da UFSC (o que paralisou as atividades da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis, e com elas nosso requerimento de passagens de ônibus) -, vamos direto de Florianópolis para Petrolina.

O mal da falta de incentivo para as passagens terrestres e aéreas tranformou-se no bem de ter dois dias a mais de preparação. Essa é nossa principal preocupação agora – temos que terminar de bolar nossas pautas e ainda fazer algumas pré-entrevistas. Hoje, por exemplo, falamos com o prof. Bebeto, diretor do Centro de Ciências da Educação da UFSC que morou dez meses em Petrolina. Para essa semana queremos falar com especialistas em obras hidráulicas e discutir detalhes técnicos da transposição.

Passamos os últimos dias penduradas no telefone ou mandando e-mails: falamos com o pessoal da Pastoral da Terra, professores da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), assessoria de imprensa do Exército, do Ministério da Integração Nacional, do Projeto São Francisco…

E isso que nem começamos a fazer matéria!