Selo de not�ciasA uva plantada no Vale do São Francisco foi a primeira a não precisar de temperaturas frias. Hoje, o vinho produzido ali é propulsor da economia local e traz progresso à região

 

O italiano Franco Pessico queria sair da Itália, mas não sabia para onde ir. Sem conseguir escolher, jogou a sorte em uma roleta que apontou-lhe o Vale do São Francisco. A história faz parte do folclore de Lagoa Grande – município com 22 mil habitantes e 10 anos de emancipação de Petrolina – e sua veracidade é duvidosa. Mas é certo que Franco Pessico chegou às margens do São Francisco há 30 anos e foi quem descobriu que dá pra plantar uva no semi-árido.

Hoje Lagoa Grande detém o título de Capital Nordestina da Uva e do Vinho e tem um PIB de R$ 141 milhões. Franco Pessico – fundador da Fazenda Milano, produtora do Vinho Botticelli – morreu há 2 anos, mas o legado de sua descoberta está presente nas estradas de retas infinitas rodeadas de parreirais irrigados pela água do Velho Chico em meio à vegetação seca da caatinga. Atualmente, 15 % de todo o vinho brasileiro é produzido às margens do São Francisco.

Um dos herdeiros da idéia de Franco Pessico é o gaúcho Jorge Garziera, primeiro especialista em vinhos a aportar no Vale. Enólogo formado em Mendonza, na Argentina, Garziera chegou à região na década de 1980 para trabalhar na Fazenda Milano. Vendo o potencial da área na produção vitivinicultora, fundou sua própria fazenda, a Garibaldina, que faz os vinhos Garziera e Carrancas do São Francisco. São 50 hectares de uva irrigada com capacidade para produzir 3 milhões de litros de vinho por ano.

Foi de Garziera a idéia de criar a Vinhuva Fest em 1999. Nesta época, ele era o vice-prefeito da primeira gestão da recém-emancipada Lagoa Grande. O município já vivia da vitivinicultura mas não a tinha como um traço da cultura popular. A festa, produzida nos moldes dos festivais da uva do Sul do País, reuniu 150 mil pessoas em sua primeira edição e hoje faz parte do calendário de eventos de Pernambuco. Neste ano, a Vinhuva acontece entre os dias 11 e 13 de outubro.

“A festa foi uma bomba jogada no meio do nada. As pessoas começaram a ter perspectivas diferentes, os conceitos foram mudando”, completa Edivaldo Barbosa, um dos 500 funcionários da vitivinícola de Jorge Garziera e morador de Lagoa Grande. Hoje, o município tem um índice de desemprego de 3%, o qual se deve em grande parte ao número de postos de trabalho oferecidos pelas vinicultoras, cerca de 30 mil em toda a região. (Graças ao clima do semi-árido, as vinhas produzem duas safras e meia durante o ano inteiro.)

 

Enoturismo

Atrelado à vitivinicultura de Lagoa Grande está o enoturismo. A partir da criação da Rota da Uva e do Vinho – a qual também fazem parte Petrolina, Santa Maria da Boa Vista e Orocó, em Pernambuco, e Juazeiro, Curaçá, Sobradinho e Casa Nova, na Bahia – o turismo baseado na degustação de vinhos e visita a parreirais começou a atrair apreciadores. Só a Fazenda Garibaldina, que produz os vinhos Garzieira e Carrancas do São Francisco e onde Edivaldo Barbosa e mais 5 pessoas trabalham como guias turísticos, fatura R$ 200 mil por ano.

A fazenda pioneira em enoturismo foi novamente a Milano de Franco Pessico. Hoje mais duas vitivinícolas fazem passeios além da Milano e da Garibaldina – a Bianchetti Tedesco e a Rio Sol. A Garibaldina é a única que oferece o serviço (com exibição de vídeo institucional, visita ao parreiral, à vinícola e ao memorial do vinho e degustação) todos os dias sem agendamento, ao preço de R$ 10 por pessoa; nas outras, a visita deve ser marcada com antecedência.

Formado em Turismo, Edivaldo aponta a falta de mão-de-obra qualificada como a principal dificuldade para o crescimento do enoturismo na região. “As pessoas ainda não se tocaram da importância. Quem percebeu está se dando bem”, acrescenta. No início dos passeios à Garibaldina, em 1999, Edivaldo recebia 50, 100 pessoas por mês. Hoje a média mensal é 2 mil. Só na semana do feriado de 7 de Setembro foram mil visitantes. A maior parte são turistas de passagem pela região e excursões da 3ª idade.

Anúncios